SE VOCÊ PENSAR, VAI DESCOBRIR QUE TEMOS MUITO A APRENDER.

Muitíssimo bem-vindos amigos!

Muitíssimo bem-vindos amigos!
Desfrute-o com vagar: há + de CEM artigos entre filosofia, literatura, mitologia, comédias e tragédias gregas (veja lista completa logo abaixo, para acessar clique sobre o título).

ELEITO UM DOS MELHORES BLOG'S NA WEB. Gratíssima por seu voto amigo(a)!

17 de mai de 2015

Mala CULTURAL para a Europa!

Rapto de polyxena, Loggia dei Lanzi. Piazza della Signorina, Firenze.

Convido-os a conferir minha mais recente empreitada: a de proporcionar-lhes uma preciosa bagagem intelectual à Europa para que, munidos de conhecimentos, possam desfrutar com ainda mais profundidade de toda a beleza das obras de arte nos museus, conferindo de perto o legado dos maiores gênios da humanidade.

B A G A G E M * D A * A L M A



Quando decide viajar, você escolhe o destino, adquire as passagens, reserva o hotel e seleciona os principais pontos turísticos.

Confere seu passaporte, faz as malas e parte em busca de novas descobertas. Obviamente, as visitas aos museus fazem parte de seu itinerário.  

Preparou-se para contemplar as mais belas obras de arte?

Antes de sua viagem, no conforto de sua casa (ou em nossa Sala de Aula, em Higienópolis), você e toda sua família munem-se das informações necessárias tais como: períodos, artistas e principais obras.


Trata-se de um minicurso (de 4 a 6h/aulas) personalizado (on demand), focado nos acervos dos museus que pretendem visitar: Museo del Prado (Madrid) - Museu Calouste Gulbenkian (Lisboa) - National Gallery (Londres) - Louvre (Paris) - Museu do Vaticano (Roma) - Galleria degli Uffizi (Florença) - Pergamon (Berlin) - Galleria Borghese (Roma) e outros.

Com uma base sólida em filosofia, mitologia e arte, você aproveita mais, MUITO mais, otimizando seu investimento. Verdadeiramente luxuosa, essa é a única bagagem que não se extravia!

Para mais informações, envie e-mail para: mitologia@esdc.com.br

11 de mai de 2015

Renascimento: Rafael e a Escola de Atenas

"A escola de Atenas" (1509/11), por Rafael Sanzio. Museu do Vaticano, Roma.


Nos dois artigos mais recentes (março e abril) tivemos a oportunidade de conhecer algumas peculiaridades do Renascimento, movimento artístico que, pautado por tantas descobertas nas áreas da ciência e do humanismo culminou numa avalanche de criativa genialidade, legando beleza.

Concluindo nossa explanação sobre esse marco na História da Arte e, consequentemente, na História da humanidade, neste mês, trazemos as características do período denominado “Cinquecento” (já abordamos o “Trecento” e o “Quatrocento”), que desponta por volta do século XVI.

Na Idade Média, início do Renascimento, o foco ainda estava no culto aos ensinamentos e valores eclesiásticos. É no “Cinquecento” que os artistas se sentem ainda mais seduzidos pela beleza dos corpos, sua força e perfeição.

Saímos da sacralidade estática do Bizantino, ganhamos “vida” na cotidianidade, através do pioneirismo de Giotto di Bondone (AQUI) e resgatamos a mitologia pagã com Botticelli, por exemplo (AQUI).

Agora, avançando mais um pouco, numa nova perspectiva, santos, mártires e profetas voltam a ser retratados com toda pompa e solenidade, pois somente o que fosse descomunalmente sublime , até “transcendente” era digno de representação.

Influenciados pela antiguidade clássica, os artistas redescobrem e perseguem gestos e serenidade no porte. Michelangelo é um exemplo de genialidade nas esculturas, cujo grau de realidade extraído do mármore impressionava em cada detalhe, explicitando profunda expressividade inclusive no olhar.

Voltando-se para os detalhes, os Renascentistas afastam-se do comportamento de seus patronos, que eram novos ricos mais discretos, pois buscavam reconhecimento sem chamar demais a atenção. Assim, até a paleta e o uso das cores fogem um pouco do excesso de colorido e de brilho do “Quatrocento”, caminhando para certa dramatização mais contida.

Ainda no “Quatrocento”, foram esses ricos senhores que, almejando o status de nobres, ajudaram a traçar o perfil do que viria a ser o profissional das artes.

Digno de nota é que no “Cinquecento”, os grandes mestres se tornam eles mesmos, ricos senhores. Isso porque a valorização do trabalho de um pintor ou escultor, agora como verdadeiro artista, não mais um simples artesão, o alça a profissional reconhecido e bem remunerado. Mais que tirá-los da marginalidade, os alça a um patamar realmente privilegiado.

Michelangelo Buonarroti, apesar de ter vivido com modéstia, chegou a recursar o pagamento por seu trabalho na Basílica de São Pedro, pois estava bem de vida. E Rafael Sanzio, por exemplo, já estava muitíssimo bem estabelecido quando executou suas mais magníficas obras.

No entanto, todo esse reconhecimento tinha seu preço. Cabia ao artista buscar “sua própria forma de representação na tentativa de alcançar uma diferenciação entre os tantos que surgiam o mesmo conhecimento”.

Embora a formação técnica e científica proporcionada pelas oficinas ainda se mantivessem por todo o período “Cinquecento”, ela não influenciava mais na formação e estilo dos artistas. 

Entretanto, com o surgimento do conceito de “arte científica”, com Leon Battista Alberti, a matemática apresenta-se como sendo uma disciplina comum tanto à arte quanto à ciência, reivindicando as teorias de perspectivas e proporções como sendo partes dela.

Para Leonardo Da Vinci, a pintura era uma espécie de ciência natural exata, mas também superior às ciências porque essas são imitáveis, enquanto a arte, por estar ligada ao gênio do artista, seria única.

Foi no período “Cinquecento” que o Renascimento ampliou ainda mais seu alcance e inspirou a realização de grandes obras em toda a Europa, tanto na pintura (Albrecht Dürer e Hans Holbein, na Alemanha, por exemplo) quanto na literatura: Dante, Gil Vicente, Camões, François Rabelais e Maquiavel, dentre outros.

Nas ciências, são também desse período os gênios tais como Nicolau Copérnico, Galileu Galilei e Giordano Bruno, que ousaram tirar o monopólio do saber das mãos da Igreja, causando alvoroço.

Enquanto no “Quatrocento” o movimento Renascentista espalha-se pelas cidades italianas, no “Cinquecento” chega aos demais países europeus até ir perdendo força no interior da própria Itália.

Um novo período começa a surgir. Trata-se do “Maneirismo” (pois à maneira do autor), movimento que será marcado pelo exagero, o negativismo e certo afastamento da antiguidade clássica.

Segundo especialistas, muitos dos artistas que realizaram seus trabalhos próxima a essa fase, o “Cinquecento”, já foram influenciados na concepção de suas obras. El Greco é um bom exemplo sobre o que nos referimos. O afresco do “juízo final”, por Michelangelo, na Capela Sistina, também já apresenta os traços fortes desse novo estilo.

Para fechar a trilogia sobre o Renascimento, convido os leitores a apreciar (abaixo) a análise da mais famosa obra do ariano (6 de abril) Rafael Sanzio (1483-1520), “A escola de Atenas” (afresco na “Stanza della Segnatura”, no Vaticano, em Roma). 

Rafael nasceu em Urbino, morou em Florença, alçou a fama cedo, em Roma e partiu precocemente, com apenas 37 anos de idade. Seus restos mortais repousam no Panteão, em Roma.

Nessa obra imperdível, famosos filósofos, guerreiros, matemáticos, astrônomos, sábios e demais pensadores, figuram entre os lúcidos deuses do lógos (ratio): Apolo e Athena (Hélios e Minerva, na mitologia romana).



Clique sobre as imagens para ampliá-las.


Rafael era tão, mas tão prodígio que, só para ter uma ideia, enquanto Michelangelo pincelava os afrescos da Capela Sistina, lá estava o jovem de 25 aninhos, encarregado do salão que seria a Biblioteca (Stanza della Segnatura) do Vaticano.

Por sorte, “A Escola de Atenas” traz muitos dos ilustres de minha área: mitologia greco-romana e “Antiga” (como designamos a disciplina de Filosofia que abarca as épocas Arcaica, Clássica e Helenística). Vamos à análise!

Nessa obra, famosos filósofos, guerreiros, matemáticos, astrônomos, sábios e demais pensadores, figuram entre os lúcidos deuses do lógos (ratio) Apolo e Athena (Hélios e Minerva, na mitologia romana).

A escultura de Apolo está no canto superior esquerdo. O deus da saúde e da harmonia ostenta sua lira, que fora presente de Hermes (Mercúrio), confeccionada inicialmente com tripas de carneiro e casco de tartaruga.

A deusa da Sabedoria e Justiça (e também da téchne), Palas Athena, porta sua lança, o elmo e o escudo com a cabeça da rainha das Górgonas, Medusa, que fora presente do herói Perseu.

Platão e Aristóteles.
Em destaque, no centro, os dois maiores filósofos da Antiguidade: Platão, segurando sua obra “Timeu” (sobre o Cosmos), aponta o dedo para o alto, chamando a atenção para o mundo das ideias. Rafael presta homenagem a Leonardo Da Vinci ao retratar Platão com suas feições. E, Aristóteles (manto azul), discípulo de Platão, carrega sua “Ética [a Nicômaco]” e, com sua mão apontando para o chão, chama a atenção para realidade.

Alexandre, "O Grande", Xenófanes e Sócrates.
Aqui, temos o rei da Macedônia e discípulo de Aristóteles, o Grande Alexandre (356-323 a.C.), ricamente trajado, com elmo, espada, ouvindo a Sócrates (470-399 a.C.) usa vestes num verde-oliva, que parece exemplificar algum saber através dos dedos das mãos. Alguns autores creem que o idoso de vestes avermelhadas que também o ouve atentamente seja Xenófanes (ou Antístenes).

Zenão e Epicuro.
Zenão de Eleia (o idoso de capuz verde) e Epicuro, com uma guirlanda de parreira na cabeça. Assim como houve o movimento hippie e o grunge, por exemplo, tanto Zenão quanto Epicuro fundaram movimentos filosóficos helenísticos: o estoicismo e o epicurismo (já publicados aqui em nosso Blog).

Hipásia, Parmênides, Pitágoras, Averrois e Boécio.
Nesse trecho, a nos fitar, observamos a única figura feminina do quadro: HipásiaMonalisa Fornarina personificando o Amor ou ainda Francesco Maria della Rovere? De pé, a seu lado, Parmênides (“O Ser, É.”), com vestes dourada. Sentado, escrevendo algo, encontra-se o matemático grego Pitágoras (580-500 a.C.). Um aluno segura a lousa de sua demonstração, enquanto o árabe Averrois (de turbante) presta atenção e, Boécio (calvo, com sua caderneta sobre os joelhos) faz suas anotações.

Heráclito de Éfesos.
Com a mão sobre a têmpora, naquela típica posição de pensador (inspirador de Rodin?), eis o magnânimo filósofo pré-socrático, Heráclito de Éfesos, que tanto inspirou Platão: “Tudo flui”; “Não se pode entrar das vezes no mesmo rio”; “O sol é e não do tamanho de um pé” e tantos outros aforismos. Rafael homenageia Michelangelo, ao retratar Heráclito com suas feições.

Diógenes, o "cínico".
É digno de nota o destaque que o artista deu a Diógenes (412-323 a.C.), o “mendigo” fundador da escola “cínica” (nada a ver com o que hoje entendemos por cinismo) que, alheio ao burburinho, esparrama-se sobre a escadaria. Diz a anedota que, certa vez, o Grande Alexandre, tendo ouvido falar de Diógenes, foi até ele e disse: “Sou Alexandre, o rei da Macedônia e posso lhe o conceder o que quiseres.”, ao que Diógenes prontamente respondeu: “Saia da frente do Sol!”. E, o guerreiro: “Não fosse eu Alexandre, gostaria de ser Diógenes.”.

Euclides, Ptolomeu, Zoroastro, Plotino e Rafael Sanzio.
Rodeado por quatro atentos alunos, o matemático grego Euclides, debruça-se sobre uma pequena lousa e, com o uso de um compasso, demonstra um princípio geométrico. De costas, trajando dourado e calçando sandálias vermelhas, está o astrônomo Ptolomeu (teórico do Heliocentrismo), diante dele, também com um globo, mas estrelado, ZoroastroNo alto, de pé, com um longo manto vermelho, eis meu adorado filósofo grego Plotino“Sábio é quem em tudo lê.”. No cantinho à direita, olhando diretamente para nós, está o autor dessa obra: Rafael Sanzio.

Vai viajar à Europa? Confira essa NOVIDADE!



luciene felix lamy
Professora de Filosofia e Mitologia Greco-romana da
Galleria Borghese, Roma
lucienefelix.blogspot.com
e-mail: mitologia@esdc.com


Related Posts with Thumbnails

ESCOLHA & CLIQUE (leia no topo). Cultura faz bem ao Espírito!

Eis que a Sabedoria reina, mas não governa, por isso, quem pensa (no todo) precisa voltar para a caverna, alertar aos amigos. Nós vamos achar que estais louco, mas sabes que cegos estamos nós, prisioneiros acorrentados à escuridão da caverna.

Abordo "O mito da caverna", de Platão - Livro VII da República.

Eis o télos (do grego: propósito, objetivo) da Filosofia e do filósofo. Agir na cidade. Ação política. Phrônesis na Pólis.

Curso de Mitologia Grega

Curso de Mitologia Grega
As exposições mitológicas explicitam arquétipos (do grego, arché + typein = princípio que serve de modelo) atemporais e universais.

Desse modo, ao antropomorficizarem os deuses, ou seja, dar-lhes características genuinamente humanas, os antigos revelaram os princípios (arché) de sentimentos e conflitos que são inerentes a todo e qualquer mortal.

A necessidade da ordem (kósmos), da harmonia, da temperança (sophrosyne) em contraponto ao caos, à desmedida (hýbris) ou, numa linguagem nietzschiana, o apolíneo versus o dionisíaco, constitui a base de toda antiga pedagogia (Paidéia) tão cara à aristocracia grega (arístois, os melhores, os bem-nascidos posto que "educados").

Com os exponenciais poetas (aedos) Homero (Ilíada e Odisséia), Hesíodo (A Teogonia e O trabalho e os dias), além dos pioneiros tragediógrafos Sófocles e Ésquilo, dispomos de relatos que versam sobre a justiça, o amor, o trabalho, a vaidade, o ódio e a vingança, por exemplo.

O simples fato de conhecermos e atentarmos para as potências (dýnamis) envolvidas na fomentação desses sentimentos, torna-nos mais aptos a deliberar e poder tomar a decisão mais sensata (virtude da prudencia aristotélica) a fim de conduzir nossas vidas, tanto em nossos relacionamentos pessoais como indivíduos, quanto profissionais e sociais, coletivos.

AGIMOS COM MUITO MAIS PRUDÊNCIA E SABEDORIA.

E era justamente isso que os sábios buscavam ensinar, a harmonia para que os seres humanos pudessem se orientar em suas escolhas no mundo, visando atingir a ordem presente nos ideais platônicos de Beleza, Bondade e Justiça.

Estou certa de que a disseminação de conhecimentos tão construtivos contribuirá para a felicidade (eudaimonia) dos amigos, leitores e ouvintes.

Não há dúvida quanto a responsabilidade do Estado, das empresas, de seus dirigentes, bem como da mídia e de cada um de nós, no papel educativo de nosso semelhante.

Ao investir em educação, aprimoramos nossa cultura, contribuimos significativamente para que nossa sociedade se torne mais justa, bondosa e bela. Numa palavra: MAIS HUMANA.

Bem-vindos ao Olimpo amigos!

Escolha: Senhor ou Escravo das Vontades.

A Justiça na Grécia Antiga

A Justiça na Grécia Antiga

Transição do matriarcado para o patriarcado

A Justiça nos primórdios do pensamento ocidental - Grécia Antiga (Arcaica, Clássica e Helenística).

Nessa imagem de Bouguereau, Orestes (Membro da amaldiçoada Família dos Atridas: Tântalo, Pélops, Agamêmnon, Menelau, Clitemnestra, Ifigênia, Helena etc) é perseguido pelas Erínias: Vingança que nasce do sangue dos órgãos genitais de Ouranós (Céu) ceifado por Chronos (o Tempo) a pedido de Gaia (a Terra).

O crime de matricídio será julgado no Areópago de Ares, presidido pela deusa da Sabedoria e Justiça, Palas Athena. Saiba mais sobre o famoso "voto de Minerva": Transição do Matriarcado para o Patriarcado. Acesse clicando AQUI.

Versa sobre as origens de Thêmis (A Justiça Divina), Diké (A Justiça dos Homens), Zeus (Ordenador do Cosmos), Métis (Deusa da presciência), Palas Athena (Deusa da Sabedoria e Justiça), Niké (Vitória), Erínias (Vingança), Éris (Discórdia) e outras divindades ligadas a JUSTIÇA.

A ARETÉ (excelência) do Homem

se completa como Zoologikon e Zoopolitikon: desenvolver pensamento e capacidade de viver em conjunto. (Aristóteles)

Busque sempre a excelência!

Busque sempre a excelência!

TER, vale + que o SER, humano?

As coisas não possuem valor em si; somos nós que, através do nôus, valoramos.

Nôus: poder de intelecção que está na Alma, segundo Platão, após a diânóia, é a instância que se instaura da deliberação e, conforme valores, escolhe. É o reduto da liberdade humana onde um outro "logistikón" se manifesta. O Amor, Eros, esse "daimon mediatore", entre o Divino (Imortal) e o Humano (Mortal) pode e faz a diferença.

Ser "sem nôus", ser "sem amor" (bom daimon) é ser "sem noção".

A Sábia Mestre: Rachel Gazolla

A Sábia Mestre: Rachel Gazolla

O Sábio Mestre: Antonio Medina Rodrigues (1940-2013)

O Sábio Mestre: Antonio Medina Rodrigues (1940-2013)

Você se sentiu ofendido...

irritado (em seu "phrenas", como diria Homero) ou chocado com alguma imagem desse Blog? Me escreva para que eu possa substituí-la. e-mail: mitologia@esdc.com.br